Vestibular
  •  
  • Flickr
  • WhatsApp
  • linkedin
  • Instagram
  • Twitter
  • Facebook
  • Youtube

 

 

Vestibulares - Inscrições

Fique por dentro

fique por dentro - INSTITUCIONAL

Campo Limpo Paulista 04/03/2020

Grupo apresenta peça gratuita “Era uma vez um Tirano”

Inspirada no livro homônimo de Ana Maria Machado publicado durante a ditadura militar, obra ganha adaptação para os palcos com direção de Bete Dorgam; espetáculo será domingo às 15h

O espetáculo conta com uma reflexão de uma forma lúdica sobre um período político importante na história

"Era uma vez um tirano”, do Grupo Prole de Teatro, adapta para os palcos o livro homônimo de Ana Maria Machado, publicado em 1982. Este é o primeiro trabalho para o público infantil e traz direção de Bete Dorgam. A peça terá apresentação única gratuita no anfiteatro da Unifaccamp, no domingo, dia 8 de março, às 15 horas. Este projeto foi contemplado pelo Proac 07/2019 " Circulação de espetáculos infanto-juvenil".

A peça conta a história de três crianças que criativamente conseguem acabar com a tirania que muda a vida dos habitantes e atrapalha a liberdade das pessoas, uma reflexão lúdica sobre política e cidadania. Utilizando da imaginação da plateia e da brincadeira proposta pelos atores, os personagens vão sendo criados em cena com a trilha sonora ao vivo do compositor Alexandre Mello e a iluminação de Felipe Tchaça, que dão o tom dessa grande brincadeira entre artista e plateia.

O livro de Ana Maria Machado foi lançado pela editora Salamandra e chegou a receber uma leitura dramática na Alemanha pela importante companhia do dramaturgo Bertold Brecht, o Berliner Ensemble, em 2002.

“As proibições do Tirano, lembradas no livro, estavam na memória recente de todos. E não vigoravam apenas no Brasil, mas em vários outros países vizinhos. Minha proposta para vencer a situação era simbólica, naturalmente. Mas tinha a ver com o caminho em que eu acreditava: uma festa feita com a união de toda a nação, nas suas diferentes etnias e gerações, com os recursos da memória e da criatividade artística, e com a pureza e coragem das crianças”, relata a autora Ana Maria Machado em texto publicado na segunda edição do livro.

Ao encenar este texto, o Grupo Prole propõe refletir junto ao público sobre assuntos que tanto preocupam e permeiam discussões contemporâneas - democracia, acesso à arte, direitos do cidadão, liberdade de expressão, a importância do diálogo entre pessoas que tem ideias diferentes, entre outras. Para contar esta história de assuntos tão adultos e que se refere a um período político da nossa história tão complexo, a encenação joga com a imaginação das crianças e da brincadeira de atores que vão criando personagens e cenários.

Neste jogo o elenco se coloca ludicamente diante não apenas dos efeitos da tirania, mas também diante do desejo de ser o tirano. “Isso nos leva a pensar também sobre as pequenas tiranias e radicalismos que cometemos. E como somos individualmente responsáveis por, em nossas ações sociais, cuidar do espaço público e dos direitos democráticos. Não através do ódio, mas do diálogo e do respeito ao direito de pensar e ser diferente.”, explica a produtora Fernanda Assef.

O espetáculo que estreou em outubro de 2018 no Centro Cultural São Paulo e ficou entre os pré-finalistas do segundo semestre do Prêmio São Paulo de Incentivo ao Teatro Infantil e Jovem na categoria Melhor Texto Adaptado. Em 2019 a peça realizou temporadas no Sesc Santo André, Sesc Consolação e Sesc Itaquera, além de apresentações no Sesc Araraquara ,Sesc Sorocaba e no Sesc Jundiai.

Sobre o Grupo Prole

O Grupo Prole foi fundado em 2005, pelas atrizes e produtoras Fernanda Assef e Bruna Aragão. Desde sua fundação o grupo se dedicou a pesquisa da dramaturgia brasileira e o diálogo de grandes escritores nacionais com a realidade sócio-política do país e nossas angústias como artistas e cidadãos. “Era uma Vez um Tirano” é o primeio teatro infanto-juvenil do grupo que encenou as peças “Homens de Papel” de Plínio Marcos, com direção de Sérgio Audi (em cartaz em São Paulo entre 2006 a 2010), e “Boca de Ouro” de Nelson Rodrigues, com direção de Flavia Pucci (com temporadas em São Paulo, capital e interior, e Rio de Janeiro entre 2012 e 2016).

Texto: Fernanda Assef
Foto: Reprodução